a música de marcelo andrade no the forge

o talento brasileiro mundo afora

A música de Marcelo Andrade é parte do que o Brasil tem de melhor a oferecer ao mundo: a sua riqueza cultural. Neste universo, a nossa música tem papel de destaque. Fruto da formação étnica do povo brasileiro, a nossa música é a expressão desse encontro de diversas culturas no mesmo lugar.

A musica de Marcelo Andrade

Adriano Adewale e Matheus Nova

Conheça mais:

Adriano Adewale e a música de Pixinguinha

Mas de nada adiantaria toda essa riqueza sem o talento para expressa-la. E a palavra talento cai como uma luva para definir o músico e a música de Marcelo Andrade. Para enriquecer o trabalho de composição, ele alia pesquisa e a capacidade de tocar diversos instrumento. No vídeo acima, você tem uma pequena amostra do que ele pode fazer com instrumentos de sopro e de cordas.

A musica de Marcelo Andrade

Marta Capponi

Marcelo Andrade e outros talentos

Por outro lado, também é importante saber juntar no palco outros talentos. Para esta apresentação, gravada no The Forge, em Camden Town, Marcelo se fez acompanhar de alguns dos melhores nomes da música brasileira na capital inglesa: Adriano Adewale, na percussão, Matheus Nova e o seu baixo, Rafael Delphino, na bateria. Para completar, dois nomes europeus: a cantora italiana Marta Capponi, dona de uma voz encantadora, e o pianista inglês, nascido em Birmingham, Sam Watts. Juntos, eles mostram o quanto a música de qualidade ultrapassa qualquer fronteira.

A musica de Marcelo Andrade

Matheus Nova e Rafael Delphino

O repetório dessa apresentação tem origem no CD African Tree, que Marcelo Andrade lançou no mesmo The Forge. O CD é fruto de uma vasta pesquisa que incluiu viagens à África e ao Brasil. O resultado eleva a música de Marcelo Andrade a uma posição à qual só o talento e muito trabalho é capaz de conduzir.

A musica de Marcelo Andrade

Cuíca -Adriano Adewale

vídeo acima também conta com a participação muito especial de alguns brasileiros que marcaram presença no show: o baixista CH Straatmann, a jornalista Lívia Rangel e a Promotora Cultural Natália de Santana Revi. Eles reforçam o nosso coro e são a prova de que  não estamos exagerando. É um convite ao otimismo, em relação ao que o Brasil é e pode ser quando se trata de produzir cultura.