mary I
a rainha sanguinária

A Rainha Mary I subiu ao trono em 1553 e ficou conhecida com Bloody Mary (Maria Sanguinária). Ao longo desse post, você descobre a razão para este apelido, nada carinhoso. Ela era filha do Rei Henrique VIII da Inglaterra com Catarina de Aragão, a primeira das 6 esposas que ele teve.

Esta foi a primeira barreira para que ela ascendesse ao trono, porque o pai desejava um filho homem como sucessor. Foi também a causa da separação dos pais.

queen mary I

Queen Mary I

Descubra mais:

A história dos Tudors, dinastia que reinou na Inglaterra por mais de 100 anos

Mary I – filha ilegítima e irmã carismática

Após a separação dos pais, a primeira consequência negativa para Maria Tudor, foi ter sido declarada ilegítima. Com isso, ela foi eliminada da linha sucessória. Começava ali também uma rivalidade com a meia-irmã, Elizabeth I, filha do segundo casamento do Henrique VIII com Ana Bolena.

Além de mães diferentes, elas também tomaram caminhos opostos quanto à religião: Elizabeth era protestante e Mary I, católica. A irmã era uma rival difícil, pois se tratava de uma mulher muito inteligente e adorada pelos protestantes.

era tudor

Rainha Elizabeth I

Mais barreiras no caminho da ‘Bloody Mary’

Em 1543, uma nova lei permitiu que ela recuperasse a posição na linha sucessória, ficando apenas atrás do o meio-irmão, Edward VI, filho de Henrique VIII com a terceira esposa, Jane Seymour.

Ele, no entanto, criou mais dificuldades para a irmã: fez a reforma protestante, que limitava a prática do catolicismo na Inglaterra, e determinou que Joana Grey, sua prima, fosse declarada a herdeira do trono. A principal razão era evitar que uma católica se tornasse rainha da Inglaterra.

Edward VI

Edward VI

Força popular para chegar ao trono

O plano do irmão funcionou, mas por pouco tempo: o reinado de Joana Grey durou apenas 9 dias. Para derrubá-la, Mary I reunião forças e teve um forte apoio popular. Ela, então, começaria o reinado criando leis que beneficiavam os fiéis católicos.

A partir de então, foram os protestantes que passaram a ser perseguidos, já a religião tornou-se proibida. Dessa perseguição e das execuções que ela promoveu, nasceu o apelido de “Maria Sanguinária”. Ela costumava assistir as execuções de uma sacada que está localizada em Smithfields.

Felipe II

Felipe II

Casamento, prisão da irmã e desgraça

O fato de não ter tido filhos foi um grande problema na vida de Maria I. Não só pelo fato de não ter um sucessor natural, mas pelas pressões que eram impostas à mulher na sua época. O desejo era tanto que ela até teve gravidez imaginária em duas ocasiões.

A lua de mel com a população acabou quando ela anunciou que se casaria com o Rei Felipe II, da Espanha. Consumado o casamento, ela se tornou rainha consorte do país espanhol, mas as resistências internas levaram a uma revolta popular, cujo objetivo era levar Elizabeth ao trono.

Como o fracasso da mesma, Mary I mandou prender a irmã no Torre de Londres. Mas tudo era só uma questão de tempo. Ela morreu de câncer nos ovários , em 1558, no Palácio de St James. Um dos seus últimos gestos foi reconhecer a legitimidade de Elizabeth como sucessora.

Deve-se destacar que ela foi a primeira mulher a lutar pelo trono da Inglaterra e sair-se vencedora. Mary I foi sepultada na Abadia de Westminster, em um túmulo que é dividido com a irmã e grande rival.

A sua opinião é muito bem-vinda. Deixe um comentário

receba nossa newsletter
somos uma tv online
feita por brasileiros
em Londres e estamos
construindo um arquivo
inédito sobre a diáspora
brasileira na Europa.

info@canallondres.tv