um brasileiro no kilburn film festival

um curador promovendo o curta internacional

Mais que um brasileiro no Kilburn Film Festival, que acontece em Londres, Paulo Sérgio chegou à posição de curador dos filmes de curta metragem do evento. tivemos a oportunidade de encontrar Paulo Sérgio para um bate papo em plena Tate Modern, seu lugar preferido em Londres. Paulistano da Vila Madalena e engenheiro elétrico, Paulo está morando há 2 anos na capital inglesa, realizando assim seu antigo sonho de em algum período de sua vida residir no exterior.

curador do kilburn film festival

Paulo Sergio

Para alcançar seus objetivos, Paulo encarou vários desafios. E o primeiro foi conseguir ser aprovado num disputado concurso interno da filial paulista da BT (British Telecom), de onde era funcionário, para assumir o posto de chefe de um dos times de banda larga em Londres. Paralelo ao seu trabalho, Paulo começou a carreira de curador, ainda no Brasil, pelas mãos do cineasta e antropólogo Celso Prudente, responsável pela curadoria da mostra do cinema negro de São Paulo.

kilburn film festival

Paulo Sergio

Após ter residido em várias localidades, Paulo acabou achando o seu lar em Kilburn, um bairro extremamente multicultural, assim como sua Vila Madalena. Para a felicidade do Paulo, é lá que acontece o Kilburn Film Festival. De imediato, Paulo quis fazer parte daquele evento e foi apresentado por amigos locais aos organizadores do festival. Depois de uma conversa inicial, Paulo formatou um projeto para fazer a curadoria de filmes de curta metragem internacionais, tendo como um dos pontos destaque a diversidade de temas abordados nos curtas. O projeto foi aceito e passou a integrar o Kilburn Film Festival com a mostra – International Short Film Night – que já está na sua segunda edição.

Ponte do Milênio Londres

Paulo acredita que o cinema de curta não é um resumo, porque esta modalidade consegue contar em poucos minutos uma história com força e emoção e ainda serve como porta de entrada para novos cineastas e para os que ja estão estabelecidos no mercado. Por outro lado, ele cita a democratização dos meios digitais como um fator preponderante para o aumento do número de pessoas trabalhando na indústria cinematográfica brasileira e na qualidade das produções. Um exemplo que ele destaca é do estudante Fabiano de Souza que conseguiu logo de cara emplacar um curta no festival de Cannes em 2011 com filme muito bonito, inteligente e com um baixo custo. Para Paulo, o brasileiro é criativo em todas as atividades devido as privações financeiras e de material, o que no final, acaba tornando-se uma vantagem.

catedral de são paulo londres

Todo o esforço e dedicação é válido para Paulo, porque a sua curadoria é uma forma que ele encontrou para doar algo ao Reino Unido, lugar que vem oferecendo a ele oportunidades tanto no campo profissional quanto no pessoal, além da alegria de estar levando arte e cultura a cada vez mais pessoas.